quinta-feira, 23 de março de 2017

PROGRAMAÇÃO DO EDITAL INQUIETUDES

19/4 QUARTA-FEIRA
10h - 18h Encontro inicial para a integração dos residentes e para gerar subsídios iniciais para o laboratório

MÓDULO I - ABRIL
20/4 QUINTA-FEIRA15h-18h Experiência imersiva proposta pelo filósofo e cientista político Renato Janine Ribeiro *19h-22h Palestra com Renato Janine

21/4 SEXTA-FEIRA
*15h-21h Laboratório de cocriação
22/4 SÁBADO10h-18h Mentoria individual aos participantes
23/4 DOMINGO10h-13h Encontro de conclusão do módulo e preparação para o módulo seguinte

MÓDULO II - MAIO
18/5 QUINTA-FEIRA15h-18h Experiência imersiva proposta pela atriz Denise Stoklos*19h-22h Palestra com o músico Benjamim Taubkin

19/5 SEXTA-FEIRA
*15h-21h Laboratório de cocriação
20/5 SÁBADO10h-18h Mentoria individual aos participantes
21/5 DOMINGO10h-13h Encontro de conclusão do módulo e preparação para o módulo seguinte


MÓDULO III - JUNHO
22/6 QUINTA-FEIRA15h-18h Experiência imersiva proposta pelo neurocientista Sidarta Ribeiro*19h-22h Palestra com o neurocientista Sidarta Ribeiro
23/6 SEXTA-FEIRA*15h-21h Laboratório de cocriação
24/6 SÁBADO10h-18h Mentoria individual aos participantes

25/6 DOMINGO
10h-13h Encontro de conclusão da residência e produção do manifesto das inquietudes

ARTISTAS E PRODUTORES CULTURAIS PODEM SE INSCREVER NO EDITAL INQUIETUDES

Inquietudes é um programa de residência para artistas, gestores, produtores e empreendedores, composto por imersões, vivências, palestras, laboratórios de cocriação e mentoria para projetos dos setores da arte e cultura e para empreendimentos criativos. 

A residência em fluxo é um processo de aprofundamento de reflexões e práticas realizado de forma coletiva, no qual os participantes criam novas visões e estratégias para seus projetos e negócios a partir da conexão entre si e da interlocução com profissionais de notável reconhecimento nos campos da arte, gestão cultural, criatividade, comunicação, filosofia, política e ciência.

Inquietudes, com suas jornadas e registros dos percursos e processos organiza metodologias e sistematiza conteúdos para o trabalho de construção do olhar artístico, investigativo e cultural, se inserindo na missão do Instituto Tomie Ohtake de promover espaços de desenvolvimento do potencial crítico, reflexivo e criativo dos públicos participantes nas atividades.

Os conteúdos são organizados em TRÊS PRINCÍPIOS NORTEADORES e em TRÊS DIMENSÕES DE PERCURSOS a partir de um conjunto de atividades-padrão

FOZ DO IGUAÇU SEDIA FÓRUM INTERAMERICANO DE FILANTROPIA ESTRATÉGICA

4 A 7 DE ABRIL DE 2017
FOZ DO IGUAÇÚ/PR
 
 

Duo Santoro e Ana Letícia Barros apresentam, em Teresópolis, programa “Do Clássico à Bossa Nova”, sábado, dia 25 de março

No próximo sábado, dia 25 de março, às 20h, o Centro Cultural Feso Pro Arte, em Teresópolis, será palco do encontro de dois violoncelos com a percussão brasileira. Com entrada franca, o Duo Santoro, Paulo e Ricardo Santoro, vai apresentar com Ana Letícia Barros (percussão) o concerto “Do Clássico à Bossa Nova”, com obras de Villa-Lobos (as bachianas brasileiras “Prelúdio”, “Cantinela” e “O Trenzinho do Caipira”), Ernesto Nazareth (“Brejeiro”), Adriano Giffoni (“Sandrino no Choro”), Tom Jobim (“Luiza”, “Dindi” e “Chega de Saudade”), Sivuca (“Feira de Mangaio”) e Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira (“Asa Branca”, “Baião”). O concerto marca a abertura da Série de Concertos de Gala 2017, e terá ainda a participação especial do Coral do CCFP e da Oficina de Poesia e Criação.

Os gêmeos violoncelistas iniciaram os estudos musicais com o seu pai, o contrabaixista Sandrino Santoro. Em 1989, graduaram-se pela Escola de Música da UFRJ com nota máxima e dignidade acadêmica Magna Cum Laude, e hoje são mestres pela UFRJ e UNIRIO. Pertencem aos quadros da Orquestra Sinfônica Brasileira e da Orquestra Sinfônica da UFRJ, onde já se apresentaram várias vezes como solistas, além de participarem de outras formações camerísticas distintas, tais como trios, quartetos e outros duos.

Considerado "um dos maiores sucessos da música erudita brasileira" pelo Jornal O Globo, o Duo Santoro é um dos conjuntos mais elogiados pela crítica especializada. Único duo de violoncelos em atividade permanente no Brasil, o Duo Santoro estreou em 1990 e já se apresentou nas principais salas de concerto de todo o país. Seus recitais incluem um leque eclético de estilos, que vai do erudito ao popular. Nas comemorações dos seus vinte anos, se apresentaram em praticamente todo o Brasil e na República Dominicana, coroando o ano com um recital no famoso Carnegie Hall de Nova York. Em 2013, lançaram o seu primeiro CD, “Bem Brasileiro”, totalmente dedicado a compositores brasileiros do século XX e contemporâneos, obtendo grande repercussão na imprensa nacional e internacional.


Já Ana Letícia Barros é Professora de Percussão e Música de Câmara da UNIRIO. Doutora e Mestre em Música pela UNIRIO, realizou seu Bacharel em Percussão no Conservatório Brasileiro de Música e sua licenciatura em música também pela UNIRIO. Participa ativamente como colaboradora do projeto "Yamaha Orquesta Latinoamericana de Vientos", sendo responsável pela seleção anual do naipe de percussão do projeto. Foi professora de percussão da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e, como coordenadora do Grupo de Percussão da UFRJ, participou do V Encontro Latino Americano de Percussão. Como solista, já atuou nas seguintes orquestras: Orquestra Latino Americana de Sopros (OLV-Yamaha), Orquestra de Sopros da Universidade da Georgia (EUA), Orquestra Brasileira de Sopros, Orquestra Bachiana Brasileira, Camerata Rio De Janeiro, Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, Orquestra de Cordas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Orquestra de Cordas de Volta Redonda, Banda Sinfônica de Volta Redonda, entre outras. Participa também ativamente das Bienais de Música Contemporânea Brasileira, organizadas pela FUNARTE, estreando diversas obras brasileiras da atualidade. Desde 1999 atua regularmente como percussionista convidada nas temporadas das principais orquestras do Rio de Janeiro, tais como: Orquestra Sinfônica Brasileira, Companhia Bachiana Brasileira, entre outras.

 
25/03, sábado – Duo Santoro e Ana Letícia Barros apresentam “Do Clássico à Bossa Nova”
Local: Centro Cultural Feso Pro Arte
Horário: 20h
Endereço: Rua Gonçalo de Castro 85 - Alto, 25960-090 Teresópolis
Entrada Franca
Informações: (21) 2644-5770
 
Programa:
 
HEITOR VILLA-LOBOS -  Bachianas Brasileiras nº 4 (Prelúdio)
HEITOR VILLA-LOBOS -  Bachianas Brasileiras nº 5 (Cantilena)
HEITOR VILLA-LOBOS -  Bachianas Brasileiras nº 2 (O Trenzinho do Caipira)
ERNESTO NAZARETH -  Brejeiro
ADRIANO GIFFONI -  Sandrino no Choro
TOM JOBIM - Luiza
TOM JOBIM -  Dindi
TOM JOBIM - Chega de Saudade
SIVUCA - Feira de Mangaio
LUIZ GONZAGA/HUMBERTO TEIXEIRA - Asa Branca/Baião

GRUPO CANTO DO RIO E LEGADO DE MARCOS LEITTE SÃO TEMAS DE EVENTO NO RIO

Neste sábado, dia 25 de março, haverá mais uma edição do Observatório Coral Carioca, que promoverá, até julho, palestras, oficinas e concertos sobre arte vocal e  coral, no Teatro Gonzaguinha e no Centro Calouste Gullbenkian. De 9:30h às 16h, a cantora e arranjadora Regina Lucatto, que ajudou a fundar o célebre Garganta Profunda, vai realizar a palestra e oficina “O legado de Marcos Leite”, dissertando sobre a obra e a carreira do líder do grupo. Também será lançado o artigo “Afinal, coro infanto-juvenil, coro juvenil ou coro jovem?”, escrito por Patrícia Costa, especialmente para o projeto. Com entrada a R$1,00, o grupo Canto do Rio subirá ao palco do Teatro Municipal Gonzaguinha, às 17h, apresentando, com direção e regência de Paulo Malaguti Pauleira, arranjos vocais originais de alguns clássicos do antológico “álbum branco”, de João Gilberto, lançado em 73, apenas com voz, violão e uma leve bateria de Sonny Carr.
Em abril, o Observatório Coral Carioca prossegue com oficina, no dia 8, sábado, ministradas por Glaucia Mancebo e Zeca Rodrigues, e show do grupo Dá o Tom. No dia 29, será a vez de Reynaldo Puebla, que estará à frente da oficina Coro Cênico, com a apresentação da Associação de Canto Coral, às 17h. Até julho, renomados regentes e profissionais do canto estarão à frente das oficinas e palestras, como Carlos Alberto Figueiredo, Deco Fiori, Augusto Ordine, Danilo Frederico, Denize Vieira, André Protasio, Lincoln Andrade e Maíra Martins. No palco do Teatro Municipal Gonzaguinha, vão se apresentar ainda os grupos Bebossa Kids, São Vicente a Cappella, Pop Coro, Coral do Cepel, Subversos, Equale, Coral Infanto-Juvenil da Escola de Música da Rocinha e Corais Mirim Infantil do São Vicente.
Com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura e coordenação e curadoria dos maestros Sérgio Sansão, Jonas Hammar e Carlos Alberto Figueiredo, o projeto consiste também no lançamento do site do Observatório Coral Carioca: observatoriocoral.art.br, já em pleno funcionamento, espaço virtual de encontro e intercâmbio entre aqueles que atuam junto a corais e grupos vocais, não apenas na Cidade do Rio de Janeiro, como também para além de suas fronteiras. Permitindo o cadastro de uma infinidade de grupos corais, cada qual disponibilizando suas informações artísticas, características, histórico e contatos, o site vai reunir também dez artigos temáticos inéditos, escritos por profissionais de renome, que serão lançados nos dias das oficinas e concertos.
O projeto vem reforçar, ainda, que, democrático e inclusivo em sua essência, o canto coral pode ser vivenciado por pessoas de todas as faixas etárias, diferentes níveis de conhecimento musical, pessoas experientes, ou sem qualquer experiência em música. Há grupos vocais e corais com as mais variadas propostas estéticas e artísticas e os mais variados objetivos: desde a profissionalização, até a prática desta linguagem musical como possibilidade de lazer, diversão, socialização, terapia e ampliação de conhecimentos.
 
Eventos aos sábados, de março a julho de 2017
Oficinas e palestras 9h30 às 12 horas e 13h30 às 16 horas
Lançamentos dos Artigos às 17 horas
Concertos às 17 horas, ingressos R$1,00

Teatro Gonzaguinha, localizado nas dependências do Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian, Rua Benedito Hipólito, nº 125, Praça XI, Centro

Informações: (21) 2224-3038

HÁ 5 ANOS, BRASIL PERDIA CHICO ANYSIO




Chico Anysio

Chico Anysio nasceu em 1931 na cidade de Maranguape, Ceará, foram 65 anos de estrada e 209 personagens na bagagem.

Iniciou a carreira na rádio, escreveu peças teatrais, livros e poesias. Estreou na televisão em 1957, gravou LPs, dirigiu programas humorísticos, formou e lançou muitos talentos.

O INSTITUTO

Chico Anysio contraiu Enfisema Pulmonar ao longo de 40 anos como fumante. Diagnosticado há 27 anos, após um infarto cardíaco também causado pela ação do cigarro, parou imediatamente de fumar, mas o Enfisema já estava instalado. Durante muitos anos, Chico sentiu e sofreu com a ação progressiva e devastadora da doença, consciente de que não havia cura.
Na última década, quando começaram a divulgar as primeiras pesquisas com células-tronco, ele passou a acreditar que seria curado através desta terapia. Mesmo sem ter conhecimento de nenhum estudo científico sobre o emprego da terapia celular para enfisema e outras doenças degenerativas do pulmão, Chico nunca perdeu a esperança e revelou numa entrevista a um programa de televisão, seu entusiasmo com a nova terapia e que se colocava à disposição como voluntário, caso, eventualmente, houvesse algum novo estudo com emprego de células-tronco para tratamento de enfisema. Coincidentemente, nesse período foram divulgados os resultados preliminares dos estudos do Prof. Dr. João Tadeu Ribeiro Paes, com emprego de células-tronco para tratamento de enfisema pulmonar em modelos animais. A partir desses resultados o grupo de pesquisa liderado pelo pesquisador enviou à CONEP (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, em Brasília – DF) um projeto para emprego da terapia celular em pacientes com enfisema em grau avançado. Ao saber desse projeto, Chico ligou para o Dr. João Tadeu que estava, naquela tarde, em São José do Rio Preto (SP), trabalhando justamente na adequação do protocolo, que seria alguns meses depois aplicado em um médico de São Paulo, portador de enfisema grave, que se tornou, assim, o primeiro paciente do mundo a receber células-tronco da medula óssea para tratamento de doença pulmonar em grau avançado. A reação inicial do pesquisador foi, ao atender o telefonema do Chico, que se tratava de um trote. Mas logo tudo se esclareceu e a relação entre ambos tornou-se, a partir daquele momento, muito amistosa e de um grande respeito mútuo. Naquele período, o médico buscava apoio para a continuidade das pesquisas e aplicação da terapia em pacientes humanos. Chico se esforçou e conseguiu uma pequena colaboração à pesquisa , proveniente do Laboratório UltraFarma.
Posteriormente, em Janeiro de 2011, quando Chico encontrava-se internado no CTI, em coma induzido, por sérios problemas respiratórios causados pelo enfisema, o médico entrou em contato com Malga Di Paula, para comunicar que a primeira etapa do estudo em humanos já estava concluída. Os resultados haviam sido aceitos para publicação em uma revista científica internacional e que havia prova científica de que o tratamento era bastante seguro. Malga convidou então, o Dr. João Tadeu para uma reunião no Rio de Janeiro e foi neste encontro que surgiu a idéia da criação do Instituto, que objetiva o levantamento de recursos para a realização da segunda fase da pesquisa. Logo que o Chico despertou do coma, Malga lhe contou sobre a idéia da Fundação e ele, com um belo sorriso, concordou imediatamente.

O MOTIVO

Tabagismo é a maior causa evitável de doença e morte no planeta. Mata mais que acidentes de trânsito, AIDS, homicídios, suicídios e incêndios juntos. É o único produto legal que mata metade de seus consumidores se for usado exatamente como indica seu fabricante. Está ligado aos cânceres de pulmão, laringe, faringe, traquéia, esôfago, bexiga e mama. Leva a envelhecimento precoce, enfisema, bronquite crônica, trombose, infarto do miocárdio, gangrena e osteoporose.

OS COLABORADORES

O Instituto conta inicialmente com a colaboração de dois renomados profissionais:
* Dr. João Tadeu Ribeiro-Paes, médico e Doutor em Genética – pela Faculdade de Medicina – USP (Ribeirão Preto / SP) e coordenador do Laboratório de Genética e Terapia Celular – GenTe Cel – UNESP – Campus de Assis (SP).
* Dra. Analice Gigliotti, medica psiquiatra, pós-graduada pela UFRJ, mestre em medicina pela UNIFESP, vice-presidente da Associação Psiquiátrica do Rio de Janeiro, coordenadora do Programa de Educação Continuada da Associação Brasileira de Psiquiatria e chefe do Setor de Dependência Química da Santa Casa do Rio de Janeiro.

WILLIAM MOERSCH É CONVIDADO DO XV FESTIVAL DE PERCUSSÃO DA PATAGONIA


Hace más de 16 años, Angel Frette propuso la organización de Seminarios de percusión con grandes maestros en la incipiente estructura del INSA (actualmente IUPA), la Universidad de arte de la Patagonia. Para ese momento, la convocatoria fue de excelente nivel, ya que el Mtro. William Moersch accedió a viajar hasta aquí y brindar un seminario.

Las visitas continuaron, nuevos artistas se acercaron... y llegó el Festival. Desde aquella primera edición, Moersch fue convocado más de tres veces para seguir brindando sus clases magistrales y conciertos de alto vuelo, tanto solista como junto a músicos de la Fundación Cultural Patagonia y otros percusionistas invitados.

Virtuoso de la marimba, percusionista de sinfónicas y cámara. Educador y sesionista. Se ha presentado como solista junto a orquestas sinfónicas a lo largo de América, Europa y Australia. Editó el CD “The Modern Marimba”. Galardonado por la National Endowment for the Arts Solo Recitalist Fellowship y por NEA Recording y Consortium Commissionig Grants.

Profesor de la Universidad de Illinois, creó el programa graduado de desarrollo de marimba en el Conservatorio Peabody y la Universidad Rugers. Dicta master clases en todo el mundo. Graduado de la Universidad de Michigan (becado por Ch. Owen). Se presentó junto a: Sinfónica de N. Jersey, Sinfónica Americana, Sinfónica de Cámara de N. York, Orquesta de N.York, Ópera Metropolitana, Filarmónica Real de Liverpool, como solista en el Shakespeare Festival y la producción de Broadway “Los piratas de Penzance”, entre otras.

Es por eso que no podía faltar su nueva visita en este enorme festejo por los 15 años de nuestro Festival Internacional de Percusión Patagonia. "Bill" será un invitado de lujo y un homenajeado de esta nueva edición.

Esperamos que puedan darle difusión a esta información entre sus contactos interesados. Y sigan atentos a las nuevas confirmaciones de artistas! Saludos!

--
15° FESTIVAL INTERNACIONAL DE PERCUSIÓN PATAGONIA
del 27 de junio al 1 de julio de 2017 (june 27th - july 1st)