domingo, 22 de julho de 2018

SAINDO EM 14º, HAMILTON SURPREENDE E VENCE GP DA ALEMANHA


O britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, venceu neste domingo (22) o Grande Prêmio da Alemanha de Fórmula 1 e reassumiu a liderança do campeonato. Sebastian Vettel, da Ferrari, que se encaminhava para a vitória, bateu na 52ª volta e abandonou.

sábado, 21 de julho de 2018

CENÓGRAFO HÉLIO EICHBAUER MORRE NO RIO

Helio Eichbauer, um dos maiores cenógrafos do Brasil, morreu nesta sexta-feira, aos 76 anos, em sua casa, no Rio, vítima de um enfarte fulminante.

Nome importante no teatro, cinema e na música popular brasileira, era professor de cenografia da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O velório será neste domingo, na Capela 8 do Memorial do Carmo, das 10h às 16h.

Eichbauer foi responsável pela cenografia de "O Rei da Vela", na histórica montagem do Teatro Oficina, em 1967 (Entenda por que 'O Rei da Vela' é um marco no teatro). Seguia trabalhando com alguns de seus antigos parceiros, como Caetano Veloso e Chico Buarque. São dele as cenografias dos shows "Ofertório", de Caetano com os filhos, e "Caravanas", de Chico.

Ao longo de sua carreira teatral, Eichbauer venceu diversas vezes o Prêmio Molière, pelos cenários de “Antígona”, do Grupo Opinião (1969); “A viagem”, adaptação de Carlos Queiroz Telles para “Os Lusíadas” (1972); “O percevejo”, de Vladímir Maiakóvski (1981); e “Grande e Pequeno”, de Botho Straus (1985).

Mas foi “O Rei da Vela” que levou o levou a outro extremo de sua carreira, a cenografia para os shows de música brasileira, que tomou corpo após a colaboração com Chico Buarque e Ruy Guerra na peça “Calabar”, em 1980 (o espetáculo foi proibido pela censura). Após o trabalho, Chico o convidou para criar os cenários do show “Tempo e contratempo”.
 

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Nesta quinta, Sala Cecilia Meireles recebe lançamento de CD e homenagem a Sergio Roberto de Oliveira

   Há um ano, mais precisamente no dia 19 de julho, o compositor e produtor carioca Sergio Roberto de Oliveira faleceu precocemente, aos 46 anos, em decorrência de um câncer no pâncreas, deixando como legado toda uma vida dedicada à música, com indicações ao Grammy Latino, centenas de obras compostas para diferentes formações, seja de câmara ou com orquestra, dezenas de CDs produzidos e lançados através de sua gravadora A Casa Discos. Agora, neste mês de julho, além do lançamento do CD “O piano de Sergio Roberto de Oliveira e Ricardo Tacuchian”, reunindo obras dos compositores tocadas pelas pianistas Miriam Grosman e Ingrid Barancoski, intérpretes e compositores de prestígio se reunirão em dois palcos cariocas para reviver suas composições e realizar uma grande homenagem ao saudoso amigo e profissional.
 

Dia 19 de julho, quinta-feira
 
O primeiro espetáculo em sua memória vai acontecer exatamente após um ano de sua partida, dia 19 de julho, quinta-feira, na Sala Cecília Meireles. Uma de suas últimas composições, “Pangea” será apresentada pelo quarteto de clarinetas formado por Cristiano Alves, Igor Carvalho, Thiago Tavares e Tiago Teixeira, que, em seguida, apresentará duas peças de Francisco Mignone (“Valsa Improvisada” e “Valsa-Choro”). Do CD “O Piano de Sergio Roberto de Oliveira e Ricardo Tacuchian”, Miriam Grosman vai interpretar “Brasileiro”, obra de Sergio Roberto de Oliveira escrita para piano solo, e a pianista Ingrid Barancoski apresenta “Le Tombeau de Aleijadinho”, do compositor e maestro Ricardo Tacuchian. Obras de Villani-Côrtes, Jayoleno dos Santos, Raul do Valle, Didier Marc Garin e Alexandre Schubert integram ainda o variado programa. Serão apresentados trechos da ópera “Na Boca do Cão”, escrita por Sergio Roberto de Oliveira já bastante debilitado, trazendo a frente a soprano Gabriela Geluda, com Ricardo Santoro (violoncelo), Leo Sousa (percussão) e Cristiano Alves (clarineta).

            No mesmo dia, haverá o lançamento do CD “Trios Brasileiros”, do T’Rio, formado por Cristiano Alves (clarineta), Fernando Thebaldi (viola), Yuka Shimizu (piano). Juntos, vão tocar peças de Nestor de Hollanda, Liduino Pitombeira e Ricardo Tacuchian. que estão presentes no CD de estreia, também lançamento da A CASA Discos.
 

Dia 29 de julho, domingo
 
Com renda revertida para uma instituição de tratamento ao câncer, o palco da Sala Baden Powell receberá, no domingo, 29 de julho, às 15h, o segundo concerto em memória ao compositor tijucano. O violonista Luis Carlos Barbieri abre o programa com “Umas Coisas do Coração”, obra que levou o compositor a ser indicado ao Grammy Latino em 2011. Os gêmeos Paulo e Ricardo Santoro (Duo Santoro) vão tocar “Aos Santos Oro”, escrita por Oliveira e dedicada aos irmãos. O duo formado pelo violonista Marco Lima e pela soprano Doriana Mendes vai interpretar “Canção do Dia de Sempre” e “A Canção que não foi escrita” (sobre poemas de Mário Quintana). No fim, Miriam Grosman apresenta “Brasileiro” e o mesmo quarteto formado por Geluda, Alves, Santoro e Souza encerra o programa com trechos da ópera “Na Boca do Cão”.
 
SERGIO ROBERTO DE OLIVEIRA
 
Sergio Roberto de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro em 1970, falecendo na mesma cidade em 2017, com 47 anos incompletos. Graduado em Composição pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), na classe de Dawid Korenchendler, teve, também uma orientação informal com Guerra Peixe. Sua carreira de compositor foi vertiginosa, principalmente depois que ele fundou um coletivo de compositores, intitulado Prelúdio 21, e que apresentava, mensalmente, uma estreia contemporânea de cada compositor, durante os últimos 10 anos de sua vida. Sua produção cobriu desde peças para instrumentos solistas, conjuntos de câmara, música coral, música sinfônica e ópera. Importantes grupos camerísticos gravaram sua obra como o Quarteto Radamés Gnattali, Quinteto Lorenzo Fernandez, Trio Capitu, Trio Paineiras, Duo Santoro, Duo Bretas-Kevorkian, GNU, entre outros. Sua obra Phoenix, para clarineta e orquestra, foi gravada pelo clarinetista Cristiano Alves, com a Orquestra Sinfônica Nacional, sob a regência do maestro Tobias Volkmann. Sua ópera de câmara, Na Boca do Cão, em parte escrita em seu leito de morte, teve uma vitoriosa temporada no Centro Cultural Banco do Brasil, apresentando a soprano Gabriela Geluda.
Paralelamente à sua carreira de compositor, Sergio Roberto desenvolveu em seu curto período de vida, uma intensa liderança musical, promovendo festivais como a Bienal Música Hoje, proferindo palestras, inclusive no exterior, como nas universidades inglesas e americanas, ensaiando uma digressão no mundo do cinema com a direção do curta Ao Mar, em 2014,  ou criando a música para os filmes A dívida, que teve uma indicação no Festival Internacional de Cinema de Madri, na categoria de Melhor Música para Filme e no Filmmaker Festival of World, em Milão na categoria de trilha sonora. Obteve reconhecimento por seu trabalho com as duas indicações do Grammy Latino, respectivamente em 2011 e 2012, e a posição conquistada de Artist-in-Residence, na Duke University in North Caroline.
Outra audaciosa e vitoriosa realização de Sergio Roberto foi a fundação de A Casa Estúdio, em 1998, que já produziu cerca de 30 CDs dedicados à música brasileira contemporânea. Sua morte foi sentida por toda a comunidade musical brasileira e pela imprensa e várias homenagens foram realizadas em sua memória, na cidade onde nasceu e desenvolveu sua meteórica liderança e arte.
 
 
SERVIÇOS
 
Dia 19 de julho, quinta-feira – A Música de Sergio Roberto de Oliveira
Local: Sala Cecília Meireles
Horário:  20h
Ingressos: R$40,00 (inteira); R$20,00 (meia entrada)
Rua da Lapa, 47 - Lapa, Rio de Janeiro
Informações:  (21) 2332-9223
Ingressos à venda em breve na bilheteria da Sala Cecília Meireles ou através do site www.ingressorapido.com.br
 
Programa:
 
Sergio Roberto de Oliveira - Pangea
    Cristiano Alves, Igor Carvalho, Tiago Teixeira, Thiago Tavares - clarinetas
 
Francisco Mignone - Valsa Improvisada
Francisco Mignone - Valsa-Choro
    Tiago Teixeira, clarone
 
Sergio Roberto de Oliveira - Brasileiro
    Miriam Grosman, piano
Ricardo Tacuchian - Le Tombeau de Aleijadinho
    Ingrid Barancoski, piano
 
Edmundo Villani-Côrtes - Luz
Jayoleno dos Santos - Sonata
    Cristiano Alves, clarineta
    Tamara Ujakova, piano
 
Raul do Valle - Sapucaia
    Thiago Vieira, trompete
Alexandre Schubert - Outono
    Thiago Vieira, flugelhorn
    Thalyson Rodrigues, piano
 
Didier Marc Garin - Da Caccia X
    Abstrai Ensemble
    Pedro Bittencourt - sax-alto; Mariana Salles - viola; 
 
Liduino Pitombeira - Japan (Full Moon)
Ricardo Tacuchian - Suite das Águas (Da chuva)
Nestor de Holanda - Sábio em Sol (4o movimento)
    T'Rio
    Cristiano Alves - clarineta; Fernando Thebaldi, viola; Yuka Shimizu - piano
 
Sergio Roberto de Oliveira - Na Boca do Cão (A menina movida a vida)
    Gabriela Geluda, soprano
    Cristiano Alves, clarineta
    Ricardo Santoro, violoncelo
    Leo Sousa, percussão
 
 
29/07, domingo – A música de Sergio Roberto de Oliveira
Local: Sala Municipal Baden Powell
Endereço: Av. N. Sra. de Copacabana, 360
Ingressos: R$ 20,00/ R$10,00
* A renda será revertida para uma instituição de tratamento ao câncer
Horário: 15 horas
Tel: 2547-9147
Classificação indicativa: Livre
Lotação: 500 lugares
 
Programa
 
Luis Carlos Barbieri, violão                                   Umas Coisas do Coração      
                                                                                                                                                        
Duo Santoro, violoncelos                                         Aos Santos Oro                                 
 
Duo Marco Lima, violão e                                      Canção do Dia de Sempre     
Doriana Mendes, soprano                                        A Canção que não foi escrita
                                                                                   (sobre poemas de Mário Quintana)              
 
Miriam Grosman, piano                                          Brasileiro        
 
Gabriela Geluda, soprano                                        A Menina Movida a Vida     
Cristiano Alves, clarineta                                         (da Ópera “Na Boca do Cão”)
Ricardo Santoro,violoncelo
Leo Sousa, vibrafone
                                  

Andrea Ferrer apresenta o show “Versos e Reversos do Amor”, sexta-feira, 20 de julho, no Beco das Garrafas

No próximo dia 20 de julho, sexta-feira, às 19h30, a cantora Andrea Ferrer retornará ao Beco das Garrafas (Bottle’s Bar), em Copacabana, apresentando seu projeto atual, “Versos e Reversos do Amor”, acompanhada do pianista Misael da Hora. Juntos, apresentarão diferentes olhares sobre as formas de amar, trazendo poesia e lirismo em variado repertório. A cantora, compositora e atriz irá mostrar ao público, além das suas próprias composições românticas (“Pertinho”, e inéditas como “Vem pra Mim” e “Te Quero Comigo do Lado de Cá”), canções de artistas como Caetano Veloso (“Esse Cara”), Tom Jobim e Vinicius (“Amor em Paz”), Chico Buarque, (“Vida” e “Samba do Grande Amor”), Marina Lima (“Pessoa”), Nando Cordel (“Você Endoideceu Meu Coração”), Moraes Moreira (“Sintonia”), entre outros. A cantora também revisita parte do repertório de seus dois CDs, e homenageia Gonzaguinha (“Espere por mim Morena”), e Luiz Gonzaga (“Sabiá”), numa referência ao seu projeto anterior.

“Para mim, não há barreiras entre o popular, o romântico e o sofisticado”, afirma a cantora baiana, nascida no seio de uma família musical, e radicada no Rio de Janeiro. Andrea Ferrer traz em seu trabalho uma mistura singular entre estilos e regionalidades brasileiras, que resultam em um material sensível e de sofisticada poética.

Com dois álbuns em circulação nacional – “Séculos” e “Andrea Ferrer” – Andrea, eventualmente, faz parcerias com artistas de renome como Carlinhos Brown, Tadeu Mathias, Luca Maciel, Daniella Firpo, Misael da Hora, entre outros, estando sempre em busca de novos caminhos e conceitos em seus trabalhos. A sua última turnê e projeto artístico, aprovado pela Rei Rouanet, “Andrea Ferrer Canta Família Gonzaga”, circulou no Rio de Janeiro e Salvador, em casas noturnas, e reverenciou a obra e legado de Luiz Gonzaga - o Rei do Baião – e Gonzaguinha, em releituras que valorizam o toque particular que Andrea traz às canções.
 
 

SERVIÇO:
 
20/07, sexta-feira – Andrea Ferrer apresenta o show “Versos e Reversos do Amor” no Beco das Garrafas
Local: Bottle’s Bar
Horário: 19h30
Endereço: Rua Duvivier, 37 - Copacabana
Telefone: 21- 96800-8683 / 2543-2962
Ingressos: R$40,00
Classificação: livre
 
 
 
• Clipe “Marina dos Mares”: http://www.youtube.com/watch?v=-jRNra9LEuM
 
• Vídeo “Te Quero Comigo do Lado de Cá” ao vivo: https://www.youtube.com/watch?v=wei0UmiIqiU 
 
• Clipe “Pertinho”: http://www.youtube.com/watch?v=_AX6LrxZVbg
 
• Trechos de show no Vizta – Marina Palace: https://www.youtube.com/watch?v=gDxFKeepRGM&spfreload=10

domingo, 15 de julho de 2018

SECRETARIA DO TRABALHO DE LONDRINA REABRE AGENDAMENTO DE CARTEIRA DE TRABALHO


A Secretaria do Trabalho reabriu hoje o sistema de agendamento para a emissão da carteira de trabalho. 
 
A fila de espera do procedimento que estava em torno de três meses foi zerada com a força tarefa realizada pela Secretaria e o sistema tem um novo formato para evitar o alto índice de evasão.

O agendamento pode ser feito pelo site www.londrina.pr.gov.br/trabalho. O sistema adotado é semelhante ao do Ministério do Trabalho, que já registra sucesso no controle de evasão. 
 
Todos os dias a partir das 12h serão abertas 70 vagas para agendamento. O intervalo entre o agendamento e atendimento será de 7 dias e na semana após o atendimento a carteira já estará disponível para retirada.

CULTURA LONDRINENSE PERDE CIDINHA FRIGERI

  CIDINHA (Maria Aparecida) FRIGÉRI, nascida em Monte Santo/MG, em 15 de março de 1932, chegou a Londrina em 1951, onde começou a construir uma bela história de integração que envolve escola, música e, sobretudo, poesia, muita poesia.

 Professora, funcionária de cartório, acordeonista, Cidinha e Londrina estão envolvidos para sempre pelos laços da ternura e da gratidão mútuas. 


Na trova, promove concursos de âmbito nacional e, em 1989, lançou o livro "Colméia de Trovas", com 150 composições.

Participou ativamente do grupo musical Evelina Grandis e colaborou com a cultura de Londrina e região.

COPA 2018: FRANÇA É BICAMPEÃ


Aos 19 minutos da primeira etapa, Griezmann cobrou falta na área e Mandzukic cabeceou contra a própria meta, abrindo o placar para os franceses.


Aos 29, no entanto, Perisic pegou uma bola de esquerdo e fez um lindo gol empatando a partida.
A alegria croata durou pouco. Aos 37 minutos após uma revisão do árbitro de vídeo (VAR), Griezmann voltou a colocar a França em vantagem no marcador.


Na segunda etapa, aos 14 minutos, Pogba bateu de fora de área e ampliou o placar para os franceses.
Aos 20, foi a vez de Mbappé fazer o seu e marcar o quarto gol da França.

A partida parecia estar decidida. Mas o goleiro Lloris resolveu dar uma graça na partida e tentou driblar Mandzukic. O atacante croata conseguiu dar um leve toque e desviou a bola para o gol, deixando o placar em 4 a 2.

Após o apito final, a França se tornou bicampeã mundial

sábado, 14 de julho de 2018

POETA ALDO MORAES É SELECIONADO PARA 10ª EDIÇÃO DA REVISTA LITERA LIVRE

Aldo Moraes teve seu poema PARA ISA DORA DUNCAN selecionado para a 10ª edição da Revista LiteraLivre.



Foram 828 inscritos e 84 selecionados.

A revista sairá no final de julho.
Selecionados:
Link para o livro Poemas do amanhecer, de Aldo Moraes onde está presente o poema selecionado:
https://clubedeautores.com.br/book/47529--Poemas_do_amanhecer#.W0oqlrieYrc

BÉLGICA VENCE INGLATERRA E FICA COM 3º LUGAR

 Aos 4 minutos de jogo quem abriu o marcador foi o lateral direito Meunier que surgiu na pequena área e finalizou cruzamento de Chadli, fazendo 1 a 0 para a Bélgica.

O segundo gol veio apenas na etapa final, aos 37 minutos com Hazard, após belo contra-ataque belga.
Com a vitória, a Bélgica ficou com a melhor campanha de sua história em Copas do mundo.

EDSON JOSÉ SANT'ANNA APRESENTA PIANO TALKS

Estou entrando em  contato para divulgar um projeto que  venho  realizando juntamente com o meu amigo e grande Pianista Felipe Silveira chamado "PIANO TALKS". 

Esse projeto nasceu a partir de conversas sobre caminhos e métodos de  estudo voltados para o Piano popular. É o piano abordado dentro do contexto do Jazz e  da Mpb, Harmonia e improvisação,das diferentes situações como Solo, duo, trio ou grupo maior...

Para  isso, em tempos de internet, estamos  criando uma  plataforma que  é toda  digital só com esse tipo de conteúdo. 
Estamos   criando um canal para compartilhar e troca  ideias com pianistas de qualquer lugar aproveitando o benefício da internet e  das redes sociais. 

É como se fosse um livro sobre piano popular, um método, só que digital, audiovisual. Como conteúdo estamos disponibilizando mini-aulas, dicas, partituras, videos de  demonstração etc... 

A ideia é falar sobre as diversas ferramentas harmônicas e melódicas que constitui a linguagem, o vocabulário do chamado "Piano popular"  e passar um pouco da visão didática que eu e  o Felipe compartilhamos ao longo de tantos anos de atividade nessa área. 

Fizemos uma Página no Instagram e também aqui  no facebook:



ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA HOMENAGEIA SUZANA ALICE CARDOSO


BAMBAS DO SAMBA: ESPETÁCULO EM LONDRINA MOSTRA QUE MULHERES FIZERAM A CULTURA DO SAMBA






Um espetáculo musical com formato diferenciado, para ser ouvido com bastante atenção, enfatizando a participação das mulheres na história do samba, como organizadoras, compositoras e intérpretes. É o que promete As Bambas do Samba, que acontece dia 22 de julho no palco do Bar Valentino, em Londrina.O espetáculo é uma produção do projeto Estação Samba, idealizado e coordenado pela pesquisadora e produtora cultural londrinense Juliana Barbosa.

O formato do espetáculo entremeia aos sambas histórias que esclarecem e emocionam pelo protagonismo feminino. O formato redesenha para o contemporâneo os programas de rádio realizados em auditório, que projetaram o samba em todo território nacional, tornando-o símbolo de brasilidade.


Juliana Barbosa comenta que “foi nos terreiros comandados pelas tias baianas que o samba nasceu. Foi na coletividade das rodas, nas parcerias criativas e nas comunidades das escolas de samba, com ativíssima participação feminina, que o samba se criou”. A pesquisadora conclui que não se pode imaginar a história do samba sem o poder organizador, criador, talentoso e inteligente das mulheres que são chamadas “bambas” justamente por essas qualidades. “No espetáculo vamos costurar essas histórias muito sutis e significativas, com sambas que as traduzem”, explica.

O repertório de As bambas do samba terá três blocos. No primeiro,estarão em destaque as compositoras. Nele vão ‘’desfilar” sambas de Dona Ivone Lara, Elza Soares, Leci Brandão e Teresa Cristina. O segundo bloco é para as mulheres que foram inspiração para os sambas, em composições de Noel Rosa, Wilson Batista e Nei Lopes.O terceiro bloco é dedicado às grandes intérpretes, com sambas que se tornaram inesquecíveis nas vozes de Clementina de Jesus, Jovelina Pérola Negra, Alcione e Beth Carvalho.


A concepção, roteiro, texto e apresentação do espetáculo são de Juliana Barbosa, conhecida no meio cultural como “doutora em samba” por ter mestrado, doutorado e pós-doutorado pesquisando o gênero musical como cultura. Ela é autora do livro “Nelson Sargento e as redes criativas do samba”. Por oito anos, entre 2008 e 2016, apresentou o programa “Estação Samba”, na rádio UEL FM.

No espetáculo, a cantora Bethânia Paranzini é a convidada especial como intérprete.Bethânia, que também toca cavaquinho, será acompanhada por instrumentistas londrinenses de destacada versatilidade com instrumentos incorporados ao samba:Samuca Muniz, no violão sete cordas;André Siqueira, na flauta e bandolim; Carlos Pereira, nopandeiro,Sal Vinícius, no surdo e no baixo Gabriel Zara.Os arranjos e direção musical são de André Siqueira, reconhecido instrumentista, estudioso e professor de música da UEL, também pesquisador da música popular brasileira.

No dia 22/07 o espaço de shows do Bar Valentino abre para o público às 19h. Até o início do espetáculo, pontualmente às 20h, haverá uma discotecagem onde a seleção foi feita por Juliana Barbosa, com sambas que falam do universo feminino, como “As Rosas não Falam”, que Cartola fez em homenagem à Dona Zica; “Maria da Penha”, tema da luta contra a violência à mulher; “Senhora da Canção”, de Nei Lopes e Cláudio Jorge, em homenagem à Dona Ivone Lara, entre outras. Depois do espetáculo, a discotecagem especial continua, com sambas que ficaram eternizados nas vozes das grandes intérpretes, como Eliana Pittman, uma das primeiras mulheres a gravar um samba-enredo e Elizeth Cardoso, a “Divina” do samba, entre muitas outras.

Em 2018, Estação Samba realiza outros dois espetáculos no palco do Valentino, também com formato de programa de auditório: Lugares do samba, em 16/09, vai lembrar os botequins, os bairros, os morros e os festejos que são as fontes do samba. Raízes do samba, em 11/11, mostrando como aconteceu o samba: sua matriz afro-originada, sua forma de falar da vida popular e sua ligação com o carnaval e as escolas de samba.

SERVIÇO:

Para assistir ao espetáculo, o público pode adquirir mesas com quatro lugares ou convites individuais.

Mesas e convites estão sendo vendidos através do (43) 9 9620 5211. Os convites individuais também podem ser comprados nos pontos de venda:
• Loja Emma - (43) 3344-5435 - Av. Jk, 2099
• Escola Canto da Lira - (43) 3024-1739 - R. Prof. Samuel Moura, 507
• Empório Bem Natural - (43) 3344-8024 - Mercadão da Prochet (Box 24) - Av. Harry Prochet, 305

Nas compras por telefone, o pagamento pode ser feito em dinheiro ou depósito (Itaú - Ag. 4113 C/C 12900-3). O custo da entrega em domicílio é de R$ 8,00 em Londrina (serviço à parte, terceirizado).


CONTATO:
Juliana Barbosa, Fone: (43) 99649-5090, email: jsbcomunicacao@gmail.com.

RESULTADO FINAL DO IBER BIBLIOTECAS 2018



III ECOS DO INGÁ: MOSTRA DE MÚSICA INSTRUMENTAL


quinta-feira, 12 de julho de 2018

CROÁCIA VENCE INGLATERRA E VAI DISPUTAR A COPA COM A FRANÇA

Nesta quarta-feira (11), o Estádio Luzhnikí, em Moscou, a Croácia mostrou força para empatar a semifinal por 1 a 1 com a Inglaterra no tempo normal e alcançar a virada por 2 a 1 na prorrogação.

A adversária da Croácia na final das 12 horas (de Brasília) de domingo, outra vez no Luzhnikí, será a França, campeão mundial de 1998, que superou a Bélgica por 1 a 0 na outra semifinal. Ingleses e belgas disputarão o terceiro lugar às 11 horas (de Brasília) de sábado, em São Petersburgo.